Algumas Características Interessantes

- A primeira selete a usar o reserva nas costas foi a Paradise da APCO. Na ocasião, houve quem, no Rio, por desdém, dissesse que não a usaria porque não dava para olhar para o punho na hora de puxá-lo e que, decolando invertido, havia o perigo do punho enganchar no mato. Hoje, quem não usa reserva nas costas é exceção.

- A selete Secura foi a primeira a usar Air Bag, o que hoje é uma unanimidade como proteção passiva.

- O Supra, mercê de um sistema de elevadores e acelerador absolutamente inovadores, foi o primeiro parapente de linha a ultrapassar os 50 km/h.

- O tecido usado até 1992 era o Nylon Carrington inglês e, a partir de 93, foi adotado o Nylon Galvenor. Esse último, passou, a partir de 1994, a ser garantido por três anos, coisa absolutamente inédita na indústria.

- O Starlite possui todas as entradas de ar das células do mesmo tamanho. Elas não diminuem nas pontas e isso fez essa vela incrivelmente resistente a colapsos.

- O Hilite III, usa células duplas, do mesmo modo que o Hilite II, recurso hoje adotado, também no Sentra e no Zen.

- O Sabra e o Spectra usam o mesmo aerofólio do Supra, diferindo no número de células e na geometria da suspensão.

- O Spectra possui todas as entradas de ar das células com a mesma área. Elas ficam mais estreitas nas pontas mas compensam isso aumentando de largura.

- A partir do Xtra, os parapentes APCO se tornaram mais fáceis ainda de inflar em vista da utilização extensiva de mylar na parte dianteira das intercélulas a fim de melhor abrir as entradas de ar.

- O Zen, e depois o Futura e o Sierra, possuem comando duplo de freio com uma segunda linha atuando no estabilizador. Isso permite ao parapente girar quase nivelado ao enroscar.

- Com exceção do Prima, todos os demais parapentes APCO possuem três tirantes e não têm a fileira de linhas D.

- Em 1997 foi lançado uma proteção lombar, a CABS(Closed Air Bottle System) que faz uso de garrafas de plástico tipo Coca-Cola fechadas.

- Em 1999, a linha de parapentes conseguiu algo absolutamente inédito. A pior homologação DHV é a do Bagheera (DHV 2, estando na categoria de performance em que todos os concorrentes são DHV 2-3). O Allegra é o único parapente no mercado com DHV 1-2 e CEN/AFNOR Standard com L/D 8. O Fiesta é DHV 1, o Allegra é DHV 1-2 e o Bagheera é 2.

- Em 2002, o Keara, seguindo a tradição iniciada com o Bagheera e mantida com o Simba, é também homologado DHV 2 chegando próximo do L/D 9 e introduzindo as inovadoras Válvulas HIT.

- Em fins de 2003, é lançado o Tetra em substituição ao Fiesta. - Em 2005 é lançado, em substituição ao Keara, o Lambada (clique aqui para o teste completo traduzido) - Em 2006, o Karma substitui o Tetra como DHV 1, saída-de-escola.

anterior histórico